4 de outubro de 2012

            

Réquiem Para Um Sonho

DROGAS. Elas consomem mente, corpo e alma. Uma vez viciado, você é um viciado.
Quatro vidas. Quatro viciados. Quatro falhas.


    Recentemente, revi Réquiem Para Um Sonho, filme não muito divulgado, mas com temática infelizmente muito atual e de grande impacto..., tanto que achei válido compartilhar aqui.

    Baseado no romance do escritor Hubert Selby Jr., Réquiem Para Um Sonho é um verdadeiro soco no estômago, capaz de aterrorizar o espectador de forma muito mais eficaz e realista do que muitos filmes de terror, afinal, o que pode ser mais apavorante do que presenciar uma realidade que está o tempo todo ao nosso lado, mas, muitas vezes, fingimos não ver?

    O filme do diretor Darren Aronofsky (o mesmo do premiado Cisne Negro) gira em torno de quatro pessoas e seus sonhos:
 
    Os namorados Harry Goldfarb (Jared Leto), viciado em cocaína e heroína, busca ascenção na vida através do tráfico de drogas e Marion Silver (Jennifer Connely), filha rebelde de pais ricos, também viciada, que sonha em ter sua própria loja de roupas.
 
    O amigo do casal, Tyrone C. Love (Marlon Wayans), que possui uma relação edipiana com sua falecida mãe e acredita que a venda de drogas pode patrocinar seus vícios e sonhos.
 
    E Sara Goldfarb (Ellen Burstyn), a solitária mãe de Harry, dona de casa viciada em comida e televisão, que vê no convite para participar de seu programa preferido a única chance de mudar sua vida e ser feliz.

    Enquanto a idéia do dinheiro fácil seduz os jovens, a ditadura da magreza tira Sara de seu frágil eixo emocional.
    O resultado é um mergulho em uma viagem sem volta.

    O diretor divide o filme em três estações do ano: verão, outono e inverno.
    O filme se inicia no verão, estação luminosa, aonde os sonhos nascem. Período propício para a felicidade, repleto de esperança, exatamente como encontram-se os personagens.
    Em inglês, a palavra “fall” significa Outono, mas também pode ser traduzida para o português como “queda”. No outono, a felicidade que cada personagem experimentou na estação anterior começa a despencar, como as folhas das árvores.
    Até que chega o inverno, estação que traz o desfecho trágico para cada um dos personagens: a aniquilação total de seus desejos, sonhos e esperanças.

    São 102 minutos que corrói os sonhos e as esperanças dos personagens e consome o espectador, que sem saber o que virá, embarca numa sensação aflitiva de perceber que o amanhã não é sempre tão esperançoso e que os vícios humanos, que trazem felicidades tão frágeis e momentâneas, acabam por degenerar aquilo que temos de mais precioso: o sonho.

    A trilha sonora incrível, composta por Clint Mansell, potencializa a sensação de angústia, desequilíbrio emocional e tristeza, tanto nossa quanto dos personagens.

    O título é uma metáfora sobre do que se trata o filme.
    Réquiem, em latim, significa repouso (o termo réquiem foi retirado da expressão requiem aeternam dona eis, que significa "dai-lhes o repouso eterno"), sendo também, na liturgia cristã, a música especialmente composta para um morto ou uma missa fúnebre (os réquiems mais famosos foram compostos por Mozart, Verdi, Brahms e Berlioz).
    Sendo assim, podemos interpretar Réquiem Para Um Sonho como o repouso eterno dos sonhos dos quatro protagonistas que o filme nos apresenta.
 
    TRAILER:
 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Mad&Cerv - 2012. Todos os direitos reservados. Design & Manutenção: Danielle Cristina R. B. dos Santos. Tecnologia do Blogger.